Você está em História do Cinema >>>>> Acesse a página inicial de História do Cinema

 

 

A SÉTIMA ARTE: O MUNDO DOS IRMÃOS LUMIÈRE

 

Da

fotografia ao cinematógrafo

A imagem ganha movimento: da lanterna mágica ao cinema

Do cinematógrafo à primeira sessão de cinema

A fotografia ganha movimento. Espanto!

O Regador Regado

O avanço do cinema

Genialidade dos irmãos Lumière

 

A IMAGEM GANHA MOVIMENTO:  DA LANTERNA MÁGICA AO CINESTOSCÓPIO, E DESTE AO CINEMA

 

Ao contrário do que se pensa os irmãos Lumière não foram os primeiros a projetar imagens em movimento. Esse privilégio coube a Thomas Edison (inventor do fonógrafo [1877] e da lâmpada elétrica [1879], entre outras coisas), por meio de uma invenção patenteada por ele com o nome de cinetoscópio [1891].

 

Um dia, quando Antoine Lumière retornou de uma viagem a Paris, trouxe com ele um grande caixote contendo um móvel de mais de um metro de altura. Parecia uma cômoda, mas se alguém espiasse através dos binóculos no topo ficaria surpreso ao ver imagens em movimento em seu interior: era o cinetoscópio de Edison.

 

- "É nisso que você deveria se concentrar" - Antoine aconselhou Louis.

Antoine foi um dos poucos franceses a compreender o significado da descoberta, que já estava disponível no mercado há meses, com o preço astronômico de 6 mil francos (o equivalente a mais de 22 mil reais).

 

O cinetoscópio fascinava Louis. A máquina funcionava com película de celulóide perfurada, de 35 milímetros de largura, passada diante da fonte de luz por pequenas rodas dentadas.

 

Numerosos inventores haviam aberto o caminho para Edison. Já no século XVII existia um aparelho chamado lanterna mágica, que apresentava imagens fixas, mas o demonstrador podia, por meio de hábeis manipulações, dar a ilusão de movimento. Por volta de meados do século XIX surgiram outros aparelhos que davam a impressão de movimento, com nomes tão esquisitos quanto Vitascope, Fregoligraph, Panoptikon, Phototachygraph ou Andersonoscopo­graph, e foram brinquedos que o público logo se cansou. Eram concebidos sobre uma base com uma série de desenhos, animados em função de um movimento rotativo. O Praxinoscope de Reynaud, o Phénakistiscope de Plateau e outros Zootropos são os ancestrais do desenho animado, o popular cartoon. Nem mesmo a máquina de Edison era perfeita, pois o prazer de ver os personagens animados era arruinado por irritante solavanco das imagens.

 

O cinema surge com os irmãos Lumière como resultado de uma lenta evolução de técnicas. Eles sintetizarão toda essa evolução e, por isso, podem ser justamente considerados os pais da sétima arte. Assim, desde 1878 Edweard Muybridge já havia concebido uma bateria de 24 câmeras negras que permitiam decompor o trote de um cavalo ou admirar a elegância dos movimentos de uma enteada nua pela metade. Em 1882, o francês Étienne Jules Marey experimentou um tubo fotográfico, inspirado no Chronophotographe de Jules Janssen, capaz de tomar muito rapidamente uma série de fotografias. Ele aperfeiçoou este instrumento para realizar uma imagem única e sintética de movimento, realizando dez imagens por segundo sobre uma mesma chapa. Em 1889 ele adaptou a película em celulóide concebida pelo americano George Eastman e inventou o que é conveniente chamar de primeira câmera. O próprio Thomas Edison em 1891 havia registrado uma câmera, o Cinetógrafo, e um projetor, o Cinetoscópio, que utilizavam películas com os lados perfurados, material que ele aperfeiçoou com a colaboração do escocês William Dickson. Em abril de 1894 é aberta em Nova York a primeira sala de Cinetoscópio. A única diferença – fundamental -, entre o sistema de Edison e o cinema atribuído aos irmãos Lumière era que a imagem não era então projetada numa tela, mas observada diretamente no projetor por um único espectador. Edison e Dickson abriram numerosas salas equipadas com estes aparelhos, que fizeram grande sucesso. A façanha dos irmãos Lumière será justamente em conseguir tirar o cinema de dentro desta caixa de espectador único e transportá-lo para a tela de um recinto em que centenas de espectadores podiam ver.

 

 

Do cinematógrafo à primeira sessão de cinema

 

 

 

 

 

 

 

 

 ® DIREITOS RESERVADOS - LEI 9610 dos Direitos Autorais, de 1998.