Você está em História do Cinema >>>>> Acesse a página inicial de História do Cinema

 

 

A SÉTIMA ARTE: O MUNDO DOS IRMÃOS LUMIÈRE

 

Da

fotografia ao cinematógrafo

A imagem ganha movimento: da lanterna mágica ao cinema

Do cinematógrafo à primeira sessão de cinema

A fotografia ganha movimento. Espanto!

O Regador Regado

O avanço do cinema

Genialidade dos irmãos Lumière

 

A GENIALIDADE DOS IRMÃOS LUMIÈRE

 

 

Em matéria de invenções, os irmãos Lumière eram grandemente versáteis. Já haviam pedido patente em quase 500 pedidos enviados aos membros da Sociedade Francesa de Fotografia e à Academia de Ciências. A longa lista de patentes mostra o ecletismo dos irmãos, cuja criatividade abrangia desde os domínios da química, da eletricidade, da acústica, do automóvel, da farmácia, aos da indústria agrícola e alimentar.

 

Aos 60 anos, Auguste decidiu se dedicar às pesquisas médicas e biológicas, enquanto Louis se dedicava à fotografia em cores. Mas Auguste não foi tão feliz naquele domínio quanto o fora na fotografia e no cinema junto com o irmão, embora tenha publicado numerosas obras sobre suas pesquisas e a fábrica tenha preparado 150 especialidades farmacêuticas que seriam utilizadas na clínica Lumière, construída em 1936, com o fito de conservar os princípios desenvolvidos por Auguste.

 

Os irmãos eram muito unidos, casaram-se com duas irmãs, e desde que se casaram viviam perto da fábrica, em sobrados. Eram tão unidos que, por vezes, era difícil saber quem havia inventado o quê. Até mesmo suas refeições eram compartilhadas, uma semana na casa de Auguste, a outra na de Louis!

 

Louis, pouco antes de morrer, exclamou: "Como me diverti com essa minha vida de trabalho!"

 

                AUGUSTE

Auguste Marie Louis Nicholas Lumière, nasceu em 5 de outubro de 1864 e faleceu em 6 de junho de 1948, em Bandol, França.

 

 Louis Jean Lumière, nasceu em 19 de outubro de 1862, e faleceu em 10 de abril de 1954, em Lyon, França.

LOUIS

                                                                  

 

  

 

  Georges Méliès:

 

Esta matéria não ficaria completa sem uma menção a Georges Méliès, nascido em Paris em 1861. É considerado o introdutor da trucagem e do cenário no cinema. Sua obra cinematográfica compreende mais de 500 títulos, mas seu filme mais longo não dura senão perto de 40 minutos. Em 1903 ele se torna o cineasta mais célebre do mundo: seu Voyage dans la Lune (Viagem na Lua) foi projetado em todas as telas do planeta e foi o primeiro filme a utilizar os efeitos especiais, uma revolução na época.

 

  Enquanto os irmãos Lumière achavam que o cinematógrafo era apenas uma invenção que excitava a curiosidade do público, chegando mesmo a declarar que ela não tinha futuro ou maior utilidade do que com ele faziam, Méliès foi o primeiro a compreender o significado da grande descoberta, introduzindo a qualidade, o espetáculo e o humor no cinema. A força de Méliès está no montagem do cenário, nos temas escolhidos mesclados com a técnica, e a boa lida com o aspecto do espaço. Assim, seus filmes vão se diferenciar das demais produções pela mobilidade no enquadramento filmado, e pela evocação a temas clássicos. O Viagem na Lua, por exemplo, tem clara evocação à obra de Julio Verne.

 

    Daí para frente o mundo do cinema se desenvolverá tão rápido quanto as demais invenções ocorridas ou desenvolvidas naquele que os profetas chamam de século de ouro.  O grande mérito dos irmãos Lumière foi, antes de tudo - e sem dúvida - nos permitir sonhar acordados!

 

         Veja o filme de George Méliès de 1902, Viagem à Lua.

Pela primeira se usou um efeito especial de dupla exposição.

 

 

 

 ® DIREITOS RESERVADOS - LEI 9610 dos Direitos Autorais, de 1998.